kakigori 1_CarlosKato.jpg
raspadinha gourmet
SÓ O GELO SALVA

Bisavô do sorvete, o kakigori deixou de ser sobremesa de festival de rua, ganhou roupa nova e casas totalmente dedicadas a ele

texto: Denise Makimoto
fotos: Carlos Kato

O verão japonês é extremamente úmido (alô, suor!) e exige hidratação constante. Uma das melhores formas de enfrentá-lo é o kakigori, uma raspadinha de gelo tipicamente nipônica e que surpreende pela variedade de sabores, texturas e pelo uso crescente de ingredientes de qualidade. Outra característica que difere essa sobremesa da versão brasileira é a velocidade que o gelo derrete – uma máquina e um tipo de gelo específicos fazem com o que o kakigori possa ser degustado com calma, sem escorrer. 

O bloco de gelo para o consumo da kakigōri necessita de um tratamento especial. No caso do gelo industrializado, a água deve ser lentamente congelada a uma temperatura de -12°C de 2 a 3 dias, livre de impurezas e bolhas internas para que o derretimento do gelo seja mais lento e resulte em uma raspadinha leve.

Já o gelo natural é feito a partir da água que escoa da montanha, levada para um reservatório e congelada pelo ar frio naturalmente. Por ser rico em minerais, tem um sabor levemente adocicado e visual mais transparente que o do gelo industrializado. Atualmente, poucas empresas ainda produzem gelo natural no Japão. 

Existe até um dia do ano dedicado ao prato: 25 de julho é conhecido como o Dia da Kakigori porque a data 7-2-5, que se pronuncia "na-tsu-go", soa como "natsu-gōri", que significa gelo de verão. 

Durante a estação, o doce é facilmente encontrado em cafés, restaurantes e festivais de rua, mas em alguns endereços especializados, surgidos nos anos 2010, ele tem ganhado status gourmet. A onomatopeia fuwa-fuwa, que significa macio, é empregada para denotar a textura e leveza da sobremesa.

A origem

O kakigori surgiu no Período Heian (séc. 11) e antigamente era consumido exclusivamente por nobres. O gelo era raspado manualmente com uma faca e servido em tigelas de metal coberto com variações de vinho, néctares de flores ou mel. A sobremesa se popularizou somente no Período Meiji (séc. 19), com o surgimento de fabricantes de gelo e, posteriormente, da máquina de raspadinha.

Símbolo de kakigori

Para indicar que o local serve kakigori, uma bandeira é pendurada do lado de fora da loja (foto acima) com o kanji kōri (氷), que significa gelo. Conheça alguns dos locais mais populares de Tóquio.

HIMITSUDO

Tokyo-To Taito-ku Yanaka 3-11-18

himitsudo.com (em japonês)

Localizada na região de Yanaka, bairro queridinho pelo ar nostálgico e pelas construções preservadas, a casa mantém o uso de máquinas manuais para a raspagem do gelo, produzido em Nikko de forma natural.

 

No cardápio sazonal, o destaque são as coberturas à base de frutas vindas de diversas regiões do Japão, como o melão de Hokkaido, a manga de Miyakojima e o morango de Shizuoka (foto).

 

Espessas, concentradas e em quantidade generosa, as caldas são sustentadas por um gelo de consistência mais dura que a de outros lugares. Para completar o conjunto, peça a cobertura de creme. É de comer rezando!

PARLOR VINEFRU GINZA

Tokyo-to Chuo-ku Ginza 1-20-10 Tomato House 3F

ParlorVinefruGinza.jpg

Em um dos bairros mais chiques de Tóquio, o pequeno prédio abriga um minúsculo estabelecimento com um terraço charmoso no último andar. O menu oferece ainda panquecas com as mesmas coberturas do kakigori.

 

Entre as opções do cardápio está a de maracujá com iogurte, refrescante com acidez na medida. A doçura fica por conta das ameixas em calda no interior do gelo.

 

A combinação de morango com espuma de pistache (foto), consagrada em casas especializadas, também funciona aqui. Pedaços do fruto sobre a calda espessa e saborosa, além dos morangos em calda presentes no recheio, emprestam crocância ao gelo que, de tão leve, parece flutuar na tigela.

TOKYO SHAVE ICE NECOGOORI

Tokyo-to Shinagawa-ku Minamioi 6-11-10

necogoori_CarlosKato.jpg

Trata-se de uma loja pequena, em um bairro mais afastado e pacato de Shinagawa, que passaria despercebida se não fosse a fila na porta. O cardápio na fachada mostra as opções que variam mais ou menos semanalmente – a maioria é à base de frutas, como a de morango com haskap (fruta típica de Hokkaido) e a de manga com maracujá e limão (foto).

 

Disponível em dois tamanhos, o menor é servido em um copo, ideal para quem não quer esperar um lugar para sentar. Basta pegar e sair, com a certeza de uma caminhada mais refrescante.

DENISE MAKIMOTO é turismóloga e vive no Japão desde 2016. Gosta de explorar lugares novos e de saborear uma boa comida.

8AF08235-ABB8-4AE6-8595-851242A56C55 - Denise Makimoto.jpeg