Uma ode ao tempo e ao mar no Enoura Observatory

Projeto artístico do arquiteto Hiroshi Sugimoto se firma como espaço de arte contemporânea fora do burburinho de Tóquio


Galeria do Solstício de Verão - 100 metros de comprimento (foto: Roberto Maxwell)

Estar antenado na arte contemporânea japonesa é tarefa difícil para quem está no Brasil. Não somente pelo fato do país estar fora dos grandes centros mundiais de exposição como também porque os japoneses são relativamente lentos em se projetar fora do circuito óbvio. Por isso o nome de Hiroshi Sugimoto soa desconhecido até para iniciados. Destacado na fotografia e na arquitetura, este japonês de 72 anos é um dos principais nomes do país na arte contemporânea, uma referência de peso.


Localizado a cerca de uma hora e meia de Tóquio, o Enoura Observatory pode ser considerado uma declaração da obra e do pensamento de Hiroshi Sugimoto. Construído numa falésia banhada pelas águas da Baía de Sagami, o espaço é uma espécie de reverência ao tempo. Sugimoto se apropriou de técnicas de construção antigas para construir o museu a céu aberto, no qual as obras são as próprias edificações.


A vista da Baía de Sagami é uma extensão da obra em Enoura. (foto: Roberto Maxwell)

O arquiteto-artista se apropriou de materiais e ruínas de outras construções para ressignificá-las no espaço do observatório. O portal Meigetsu, por exemplo, fica logo na entrada e é datado do Período Muromachi (1338-1573). Já a casa de chá Uchoten recebeu telhas de ferro corrugado de um antigo armazém da região. Construído em homenagem ao mestre Rikyu criador de vários projetos de casas de chá no Japão feudal —, o espaço ganhou um nome formado pelos caracteres para "chuva" (u/雨), "audição" (聴/cho) e "céu" (天/ten). Quando a chuva cai, pode ser ouvido o som das gotas batendo no telhado. "Se o Rikyu estivesse vivo, algo me diz que um pedaço enferrujado de ferro corrugado seria exatamente o tipo de material que ele usaria", conta Sugimoto no site que apresenta o projeto.


Transposto de outra construção, o Portal Meigetsu tem séculos de história (foto: Roberto Maxwell)

Aliás, a interação com elementos da natureza não para ali. Todo o espaço foi pensando para dialogar com a paisagem, em especial a posição do sol em épocas significativas do ano, como os solstícios e equinócios. No Light Well, um poço é construído no final de um apertado túnel através do qual a luz do sol chega. No solstício de inverno, o dia mais curto do ano, o sol forma um diamante na entrada do túnel que dá para o mar.


Mas não é preciso estar no local num dia especial para entender a proposta do espaço. O anfiteatro romano, construído em conjunto com um tablado de madeira no estilo de pilares suspensos kakezukuri, o sol é a estrela a ser observada. Já o Stone Stage é um espaço aberto feito de pedras e que faz uma referência à lenda que conta que a deusa do sol, Amaterasu, devolve a luz ao mundo ao ser seduzida por uma dança que a retira de seu esconderijo dentro de uma caverna. Com as dimensões de um palco de nô, o espaço é outra reverência à natureza e aos ciclos.



Além das construções, fotografias do artista podem ser vistas numa estreita galeria de 100 metros de comprimento, com as obras expostas na parede construída em pedra de oya, uma espécie de rocha ígnea de fácil modelação e muito usada em artesanato e construção. Oposta às obras, uma parede de vidro completa um diálogo, inevitável ao falarmos de Japão, entre passado e presente. Apresentadas na galeria, fotografias da série Seascapes, em que mar e céu são retratadas, chegam a ser uma pitada de ironia com a paisagem vista do lado de fora e com a arte de um modo geral. Porque não é possível chegar a outra conclusão no Enoura Observatory: a gente só precisa olhar para o mar para ver toda a obra que é o planeta em que vivemos.


Serviço

Enoura Observatory

Kanagawa-ken Odawara-shi Enoura 362-1 [mapa]

¥3000

Reserva obrigatória. O local é difícil acesso por transporte público. No ato da compra da entrada, é possível reservar o serviço de transporte gratuito do local. Informações no site.



48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo